Santa Marcelina Cultura

MENU

NOTÍCIAS

Grupos de mães já atuam em três polos

19 de março de 2013

Tudo começou muito timidamente no CEU Jambeiro, em 2011, quando um grupo de mães, tias e avós de alunos do Guri passaram a se encontrar semanalmente para produzir artesanato em fuxico. A ideia deu tão certo e o resultado desses encontros abriu tantas portas ao grupo (veja matéria aqui) que a notícia correu mundo. Atualmente é possível encontrar atividades semelhantes em pelo menos dois outros polos: CEU Parque São Carlos e CEU São Rafael, ambos também na Zona Leste de São Paulo. Os três grupos apresentaram seus trabalhos num encontro que reuniu todos os colaboradores (professores, assistentes sociais, monitores de polo e agentes de apoio) do Programa Guri no último dia 15/2, no Instituto de Artes da Unesp.  

No Polo Parque São Carlos, a história é muito semelhante ao Jambeiro já que tudo começou com Neusa Ramos. Mãe de Lusia e Luisa, alunas de violino e iniciação musical, Neusa tem uma boa noção de artesanato em fuxico – técnica que utiliza pedaços de tecido costurado para decorar roupas, bolsas, almofadas e outros utensílios. Quando suas filhas mudaram de polo e passaram a frequentar o CEU Parque São Carlos, Neusa levou sua experiência para as mães daquela localidade. O grupo começou em 2012 com dez mães. A atualmente são cinco, que se reúnem semanalmente para produzir souvenirs de fuxico, bonecas de pano, cachecóis, bolsas e porta-trecos entre outros produtos. 

O grupo até encontrou um nome: Cooper Mater, e tem buscado parcerias para dar vazão à produção. “A Cooperativa Nova Esperança [produtora de fios – conheça o trabalho aqui] levou nossos produtos para um encontro em Minas [Gerais] que vendeu bem”, conta Neusa, que lembra que o maior desafio desse grupo é conseguir formalizar uma cooperativa. 

No CEU São Rafael, o grupo se formou também ano passado a partir de uma atividade organizada pelo Polo denominada Troca de Saberes. A cada encontro uma das oito mães que formaram o grupo ensinava às outras uma técnica artesanal do qual tinha conhecimento. No final dessas atividades, o grupo definiu as técnicas a serem trabalhadas coletivamente. Desde o ano passado produzem peças de tricô, fuxico, arte em EVA e em recicláveis. A assistente social do Polo, Cyntia Soares, conta que duas das mães participaram de um curso do Sebrae denominado Aprender a Empreender. 

Segundo Sheila Gonzales, mãe de Keila, aluna de flauta do Polo, participar do grupo ampliou suas perspectivas: “É bom. A gente troca saberes e conhece coisas novas”. O grupo, que se encontra todas as quartas-feiras, gostou do retorno que obteve na Unesp e está trabalhando para poder oferecer novos produtos na Jornada de Capacitação do Guri, que deve acontecer em julho.