Santa Marcelina Cultura

MENU

NOTÍCIAS

Filipe dos Santos Esteves é o grande vencedor no Prêmio Ernani de Almeida Machado 2015

21 de dezembro de 2015

Em cerimônia realizada na Sala São Paulo no último sábado, dia 19 de dezembro, cinco bolsistas da Orquestra Jovem do Estado foram anunciados como vencedores da 4ª edição do Prêmio Ernani de Almeida Machado. O clarinetista Filipe dos Santos Esteves, de 24 anos, recebeu o prêmio principal de R$ 60 mil, que deverá ser utilizado para o aperfeiçoamento musical em uma instituição de ensino no exterior. Ariane Rovesse (clarinete), Jean Arthur da Silva (flauta), Johann Cardoso (trompa) e Renan Gonçalves (violino) foram contemplados com os prêmios de R$15 mil, que podem ser usados em aprimoramento profissional ou na aquisição de instrumentos.


Crédito da foto: Adriana Elias

A cerimônia foi conduzida pelo Diretor Artístico-Pedagógico da Santa Marcelina Cultura Paulo Zuben e contou com a participação da Diretora Presidente da Santa Marcelina Cultura, Irmã Rosane Ghedin, do Secretário da Cultura do Estado de São Paulo, Marcelo Mattos Araujo, do Sócio Administrativo do Machado Meyer Advogados, e do Sócio Diretor do Machado Meyer, Moshe Sendacz.  


Aluno de clarinete com o professor da EMESP Tom Jobim, Gustavo Barbosa Lima, de 2010 a 2013, e bolsista da Orquestra Jovem do Estado desde 2012, Filipe Esteves não conteve a emoção ao ser anunciando como o grande vencedor do Prêmio Ernani de Almeida Machado. “É muita felicidade. Vou conseguir realizar meu sonho, que é estudar fora. Ainda tenho dúvidas sobre o destino, mas, provavelmente será em Nova York, na Juilliard School”, conta Filipe.
 

Esta foi a terceira vez que o jovem clarinetista foi contemplado no concurso patrocinado pelo escritório Machado Meyer Advogados, mas é primeira vez que recebe o prêmio principal. Nos anos de 2012 e 2014, ganhou R$15 mil reais. “Tudo tem um propósito em nossas vidas. Nas outras vezes, pude comprar um instrumento melhor, o que me deixou “turbinado” para fazer a audição do prêmio deste ano. Eu já tinha falado para mim mesmo que esta seria a última vez que concorreria audição”, completa.


Única mulher entre os finalistas do Prêmio, Ariane Rovesse, de 22 anos, foi premiada pela segunda vez. Natural de Belo Horizonte, a clarinetista já planeja realizar mestrado na Alemanha com os R$15 mil recebidos. “Este ano terminei minha graduação pela USP e pretendo, em 2016, prestar o mestrado em Berlim ou em Colônia, então, vou utilizar o dinheiro do prêmio para ajudar a financiar parte dos custos. Ainda é um desafio muito grande, pois terei de encarar a prova, mas já conheço os professores e todo o processo. Isso é uma vantagem”, revela a musicista mineira.



Crédito da foto: Adriana Elias

Aluna de clarinete com o professor Luis Afonso Montanha, Ariane agradeceu o apoio e atenção recebidos tanto em sua graduação na Universidade de São Paulo quanto na EMESP Tom Jobim. “O Montanha foi e é muito especial para mim, pois foi meu professor durante os quatro anos da minha graduação. Além de ser um excelente professor de clarinete, me ajudou a amadurecer muito aqui em São Paulo, pois sou de Belo Horizonte. Vim para cá com 18 anos, então, considero o Montanha um pai para mim. Também gostaria de dedicar o prêmio ao Tiago Naguel, clarinetista, que também foi aluno do Montanha. Ele me ajudou na preparação para este concurso nas últimas semanas”, diz.

O trompista Johann Cardoso, de 21 anos, ganhou pelo segundo ano consecutivo o Prêmio Ernani de Almeida Machado. O jovem de Pindamonhangaba planeja estudar na Inglaterra em 2016. “Eu dedico o prêmio à minha família, minha namorada e ao meu professor Ozeas Arantes. Com a quantia recebida pelo prêmio, pretendo fazer um curso no Royal College of Music, em Londres, que tenho certeza que será muito bom para mim”, conta.


Já o spalla da Orquestra Jovem do Estado, Renan Gonçalves, venceu o Prêmio na primeira vez em que concorreu. “Estou muito feliz pelo resultado. Pretendo comprar um violino, pois o instrumento que uso é emprestado, já que não tinha um instrumento muito bom para poder fazer os solos de orquestra como spalla”, conta o jovem de 20 anos. “Eu me dediquei durante seis meses para a prova e acabei conseguindo ser premiado”, completa.


Também estreante no Prêmio Ernani de Almeida Machado, o flautista Jean Arthur da Silva ficou muito feliz com a premiação e destaca o nível dos outros bolsistas que concorreram. “Foi muito duro. Trabalhamos duro todos os dias. A vida do músico é estudar muito e estar preparado para qualquer situação. Eu me preparei bastante e foi muito difícil, pois todos os candidatos estavam muito preparados. Graças a Deus, consegui o prêmio e estou extremamente feliz e, ainda para encerrar o ano com chave de ouro, este concerto maravilhoso que apresentamos nesta noite. Um coral enorme e uma orquestra maravilhosa, além do excelente trabalho do nosso maestro Cláudio Cruz. Não tinha como encerrar melhor o meu ano”, conta o jovem, que também foi bolsista da Banda Sinfônica Jovem do Estado em 2013.


Aluno de flauta na EMESP com a professora Sarah Hornsby, Jean agradece todo o apoio que tem recebido da professora. “A Sarah é uma mãezona, muito amiga de todos os alunos dela. Agradeço demais pelo incentivo que ela tem dado, principalmente por me acolher de uma forma incrível”, revela o flautista de 23 anos.


Jean Arthur planeja adquirir uma nova flauta, para que possa se aprimorar ainda mais no instrumento. “Já estava precisando muito comprar uma boa flauta e a oportunidade de conseguir era realmente por meio do prêmio. Agora, é continuar estudando muito para me tornar um grande músico”, completa.


Nesta edição, foram selecionados 15 finalistas. Os cinco vencedores foram escolhidos por uma banca examinadora, formada por reconhecidos músicos de diferentes instrumentos, compositores, regentes e jornalistas setoristas da área de música erudita. A audição ocorreu no dia 07 de dezembro, na EMESP Tom Jobim.


Crédito da foto: Adriana Elias

Concerto

Após a cerimônia de entrega do Prêmio Ernani de Almeida Machado, a Orquestra Jovem do Estado realizou concerto de encerramento da temporada 2015. Sob regência do maestro Cláudio Cruz e participação da soprano Marília Vargas, do tenor Jabez Lima, do barítono Erick Souza, o Grupo apresentou a famosa cantata Carmina Burana, de Carl Orff. A apresentação contou também com a participação de mais de 250 alunos da EMESP e do Guri que integram seis coros dos dois programas de formação musical e inclusão social, sob gestão da Santa Marcelina Cultura: Coral Jovem do Estado, Coral Juvenil EMESP, Coro Adulto EMESP, Coral Infantil do Guri, Coral Juvenil do Guri e Coral de Familiares do Guri.

 

por Marcus Vinicius Magalhães