Santa Marcelina Cultura

MENU

NOTÍCIAS

É hora da autonomia

21 de dezembro de 2012

Em 2012, a área social viu os projetos Guri Pra Valer, Protagonismo Infanto-Juvenil e Trabalhando a Deficiência ganharem capilaridade com o aporte do FUMCAD – Fundo Municipal da Criança e Adolescente, e já impactam diretamente na vida dos alunos. Também a família esteve presente no dia a dia dos polos com os grupos produtivos.

Cada vez mais o Programa Guri integra a área pedagógica e a área social de forma criar um ambiente favorável ao aprendizado, segundo a coordenadora da área social, Marta Bruno. Segundo ela, todo o trabalho social desenvolvido pela instituição tem como objetivo dar a retaguarda necessária para que os alunos tenham condições de se tornar agentes de sua própria história. “Costumo dizer que o que fazemos é o alicerce, o andaime de uma obra. Quando a construção está pronta a gente tira o andaime, pois sabemos que ela está sólida”, explica.
Com essa imagem, Marta resume o trabalho da área social em 2012, que viu seus projetos ganharem capilaridade com o apoio do FUMCAD, o Fundo Municipal da Criança e Adolescente da Prefeitura de São Paulo. Ao todo, três projetos da área social estão sendo financiados pelo Fundo: Guri Pra Valer, Trabalhando a Deficiência e Protagonismo Juvenil que estão sendo desenvolvidos em 20 dos maiores polos do Programa – todos os CEUs onde existem polos do Guri e mais as unidades Brooklin, Júlio Prestes e CCA Itaquera.
Outro destaque do ano, segundo a coordenadora da área, foram os grupos produtivos de familiares de alunos. Mães, tias e avós de alunos dos polos Jambeiro, Parque São Carlos e São Rafael se reúnem semanalmente para trocar de experiências e produzir artesanatos em tecido, material reciclável e madeira. O destaque são as mães do Jambeiro que trabalham principalmente com fuxico e já comercializam sua produção em grande escala (veja matéria aqui).

Saiba mais sobre os projetos financiados pelo FUMCAD.

Guri Pra Valer
Ampliando o mundo da leitura
O Guri Pra Valer é um projeto de incentivo à palavra, à leitura e à escrita, que busca contribuir na construção da autonomia e cidadania dos alunos e alunas do programa, ampliando horizontes e possibilitando vivenciar novas experiências. O projeto surgiu a partir de uma ação no Polo CEU Campo Limpo, em 2009, onde alunos e alunas desenvolveram, com o apoio da biblioteca João do Rio, oficinas de leitura e escrita que resultaram na montagem de um espetáculo teatral e saraus, entre outras atividades.
Agora o Guri Pra Valer, com o patrocínio do Bank of America e Grupo Camargo Corrêa está sendo implantado implantado em 20 Polos de ensino. Entre julho de 2012 e junho de 2013 acontecerão 240 oficinas, num total de 540 horas de atividades, envolvendo 7.000 crianças e adolescentes e seus familiares.
Para o desenvolvimento dessas atividades, o Projeto conta com a parceria da Cia. Malas Portam, que realizará três ciclos de oficinas denominados Círculos de Cultura, Jogos Teatrais e Cine-Debate.

Trabalhando a deficiência
As ações de inclusão são um desafio para qualquer instituição que trabalha com educação em nosso país, e com o Governo do Estado de São Paulo e a Santa Marcelina Cultura não é diferente.
Como programa público de educação musical e inclusão sociocultural, o Guri não coloca barreiras na inscrição de novos alunos e procura lidar com as especificidades do atendimento aos alunos deficientes. Com o objetivo de atender com qualidade os alunos portadores de deficiência, o Programa realizará, entre julho de 2012 e junho de 2013, 92 encontros, num total de 400 horas de capacitação, para mais de 400 colaboradores da Santa Marcelina Cultura, envolvendo professores, assistentes sociais, monitores e agentes depolo, além de equipes de Administração, Produção, Comunicação e Relacionamento Institucional.
O projeto tem o patrocínio de Redecard, ISA-CTEEP e Grupo Camargo Corrêa, por meio do FUMCAD – Fundo Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente da prefeitura de São Paulo e conta com a parceria da Oscip Mais Diferenças, entidade referência no país quando o assunto é inclusão.

Protagonismo Infanto-Juvenil
Ampliando a leitura do mundo – escrevendo a própria história
Formação para o Protagonismo Infanto-Juvenil é um projeto que tem como objetivo realizar formação e acompanhamento pedagógico dos alunos do Programa Guri. Busca despertá-los como sujeitos de suas histórias, da história de seus grupos e/ou da classe social na qual estão inseridos, contribuindo para a construção de uma mentalidade cooperativa e cidadã e propiciando um novo conceito sobre si mesmo, enquanto grupo protagonista de intervenção comunitária.
A ação envolverá, até junho de 2013, 7.000 participantes de 20 polos de ensino e ocorrerá em três etapas:
 Formação inicial, com participarão 700 adolescentes de 12 a 18 anos que serão formados como agentes multiplicadores debatendo temas como o protagonismo infanto-juvenil, ECA, democracia, participação, elaboração de projetos sociais, dentre outros;
 Acompanhamento pedagógico, que envolverá 6.300 crianças e adolescentes que participarão de ações a serem desenvolvidas pelos agentes multiplicadores;
 Mostra Cultural, que compreende a socialização das ações realizadas ao longo do projeto com o intuito de dar visibilidade às ações protagozanizadas por todos os participantes.
Tendo como proposta a pedagogia de direitos e seus instrumentos legais, pretendemos propiciar encontros coletivos constituídos em espaços vivos de debate, em que a ludicidade e o diálogo se farão presentes para pensar e repensar a prática, criar e recriar conhecimentos, ver e rever pressupostos, descobrir e socializar os desafios e as perspectivas de uma atuação que emancipe, contribuindo para o exercício do protagonismo de crianças e adolescentes.
O projeto Formação para o Protagonismo Infanto-Juvenil tem o patrocínio do Bank of America e AstraZeneca por meio do FUMCAD – Fundo Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente da prefeitura de São Paulo. Para o desenvolvimento dessas atividades, contamos com a parceria do Instituto Macuco.