Santa Marcelina Cultura

MENU

NOTÍCIAS

Encontro apresenta os projetos do FUMCAD às equipes dos polos

18 de fevereiro de 2013

Os três projetos incentivados pelo FUMCAD no ano passado terão continuidade em 2013; equipes dos polos tiraram dúvidas em reunião de início de ano

Professores, assistentes sociais, monitores e agentes de polo participaram na tarde desta sexta-feira (15) de um encontro com gestores do Programa Guri no intuito de apresentar e tirar dúvidas dos três projetos incentivados com recursos do FUMCAD (Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente): Trabalhando a Deficiência, Protagonismo Infanto-Juvenil e Guri pra Valer. O evento foi realizado no Instituto de Artes da UNESP, na Barra Funda.

Os projetos vêm sendo realizados desde o segundo semestre do ano passado em polos da cidade de São Paulo edeverão se estender por mais seis meses, atingindo diretamente milhares de crianças e adolescentes dos 6 aos 18 anos, além de integrantes das comunidades das quais fazem parte e familiares.

O Trabalhando a Deficiência, executado pela Oscip Mais Diferenças, tem como proposta ações inclusivas direcionadas a pessoas com diferentes tipos de deficiência. Para Carla, gestora da organização, “ainda é um tema que precisa ser disseminado na sociedade”. “Precisamos trabalhar nas perspectivas dos direitos do cidadão, compartilhando esse conhecimento”.

O primeiro momento do projeto foi em dezembro, quando foi realizada uma pesquisa com 163 membros de equipes que trabalham diretamente com os guris. O cronograma de atividades prevê, agora, trabalhos de capacitação e discussão com cinco turmas e dois grandes encontros, entre março e maio. Também será realizada uma oficina sobre tecnologia e inclusão e um seminário que abordará a problemática específica do ensino musical para portadores de deficiência.

Para o professor de violão Pietro Carlo, um projeto como esse é “muito bem-vindo porque ainda não temos uma metodologia para lidar com situações de alunos com deficiência”. Ele relata a experiência que teve dando aula para um aluno deficiente visual e para uma aluna que tinha déficit cognitivo. “Como eu vou ensinar a partitura para alguém que é cego? Como vou fazer para mantê-lo no mesmo nível que os demais alunos do grupo?”, perguntava-se.

Com um viés voltado à questão da formação da cidadania dos jovens, o Protagonismo Infanto-Juvenil, que tem como parceira do Programa Guri a ONG Instituto Macuco, foi representado no evento pela gestora Márcia Guerra. Ela informou que a perspectiva é atender a 7 mil crianças e adolescentes de 12 a 18 anos, no total.

“Um dos objetivos do nosso trabalho é contribuir para a formação político-pedagógica dos adolescentes”, explicou. Além disso, pontuou que é importante que os jovens obtenham conhecimentos acerca do funcionamento e objetivos de projetos sociais, de maneira que possam “se engajar em lutas atreladas aos territórios em que estão inseridos”.

Por último, os educadores da Cia. Malas Portam, que toca o Guri Pra Valer, realizaram uma intervenção teatral nos moldes do que é feito com os alunos. O projeto visa incentivar a apropriação da palavra, da leitura e da escrita, justificado por um diagnóstico de que há um déficit de leitura que chega a prejudicar o estudo da música.

Os três projetos são patrocinados por: Astrazeneca, Bank of America, Redecard, ISA-CTEEP e Instituto Camargo Corrêa.