Santa Marcelina Cultura

MENU

Orquestra Jovem Tom Jobim | Tom Jobim visita Dominguinhos e Sivuca

Em junho, a Orquestra Jovem Tom Jobim apresenta obras de dois importantes compositores do nordeste brasileiro: Dominguinhos e Sivuca. Como convidados da noite, o grupo receberá a cantora Vanessa Moreno e o músico Gabriel Grossi. A regência será dos maestros Nelson Ayres e Tiago Costa.

Orquestra Jovem Tom Jobim

Dedicada especialmente à música popular brasileira orquestral, a Orquestra Jovem Tom Jobim tem uma sonoridade particular. Ao mesmo tempo em que se insere na tradição das orquestras de rádio e TV, também tem características muito peculiares e recentes. Além do jogo de cintura e polivalência dos grupos de antigamente, a Tom Jobim tem uma face contemporânea, fruto de um repertório formado majoritariamente por arranjos concebidos especialmente para o grupo.

No palco, alia-se a potência e expressividade de uma orquestra sinfônica (com naipes de cordas, madeiras e metais), à força e energia da seção rítmica (piano, contrabaixo elétrico, guitarra, bateria e percussão). Dessa união, carregada de vitalidade, resulta um som distinto, uma pronúncia tipicamente brasileira da música de concerto.
Criado em 2001, durante o Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão, o grupo de difusão e formação musical da EMESP Tom Jobim possibilita vivência orquestral erudita e popular aos bolsistas, por meio do resgate de obras tradicionais de grandes compositores nacionais, com especial dedicação à obra de Tom Jobim, além de pesquisa e experimentação musical.

Toda sua programação, da escolha de repertório à dinâmica de ensaios, é realizada pensando na formação dos bolsistas. Os jovens músicos ensaiam e se apresentam com os solistas convidados, e usufruem de um rico intercâmbio de conhecimentos e vivências. A experiência completa – ensaios de alta intensidade, aulas com convidados que são referência em sua área, e exploração de um repertório versátil e inovador – proporcionam aos jovens músicos não apenas um aprimoramento técnico e estilístico, mas um conhecimento profundo do fazer musical.

Repertório

SIVUCA (1930-2006)
Rapsódia Gonzaguiana (arr. Sivuca/adap. Tiago Costa)
9 MIN

DOMINGUINHOS (1941-2013)
Onze de Abril (Arr. Roberto Sion)
3 MIN

DOMINGUINHOS (1941-2013) / ANASTÁCIA (1941)
Tenho sede de um xodó (Arr. Nelson Ayres)
6 MIN

SIVUCA (1930-2006)
Forró da Penha (Arr. Bruno Santos)
4 MIN

Homenagem a Velha Guarda (Arr. Paulo Aragão)
4 MIN

Um Tom para Jobim (Arr. Nelson Ayres)
4 MIN

DOMINGUINHOS (1941-2013)
Xote da Navegação (Arr. Edson José Alves)
4 MIN

SIVUCA (1930-2006) / CHICO BUARQUE (1944)
João e Maria (Arr. Nelson Ayres)
4 MIN

DOMINGUINHOS (1941-2013) / GILBERTO GIL (1942)
Abri a Porta (Arr. Paulo Malheiros)
4 MIN

DOMINGUINHOS (1941-2013)
Retrato da Vida (Arr. Rodrigo Morte)
4 MIN

DOMINGUINHOS (1941-2013) / SIVUCA (1930-2006)
Nilopolitano (Arr. Tiago Costa)
4 MIN

DOMINGUINHOS (1941-2013)
Lamento Sertanejo (Arr. Tiago Costa)
5 MIN

SIVUCA (1930-2006)
Feira de Mangaio (Arr. Nailor Proveta)
4 MIN

Sobre o(a) regente

Nelson Ayres e Tiago Costa, regência

Sobre o(a) solista

Vanessa Moreno, voz

A cantora são bernardense iniciou seus estudos musicais aos 15 anos de idade por intermédio do violão, e a partir de então vem construindo uma considerável trajetória como intérprete e compositora, com uma carreira já repleta de experiências em diferentes vertentes musicais, sendo reconhecida como uma das revelações da música brasileira. Integrou o quarteto vocal Karallargá, participando de vários festivais pelo Brasil e registrando o CD “Karallargá por Natureza”. Integrou durante quatro anos o trabalho “Saraivada” de Chico Saraiva (Prêmio Visa 2009) ao lado do percussionista Ari Colares. Com o contrabaixista Fi Maróstica, desenvolve um trabalho em duo com dois discos lançados: Vem Ver (2013) e Cores Vivas – Canções de Gilberto Gil (2016), se apresentando em significativos espaços culturais e festivais de jazz em São Paulo e Europa. Os dois discos ganharam versões japonesas e foram apontados como destaques da música brasileira em Tóquio. Vanessa é bacharel em canto popular pela Faculdade Souza Lima & Berklee, e desenvolve alguns trabalhos como educadora, ministrando workshops de canto popular em festivais pelo Brasil, além de fazer parte do corpo docente da Escola do Auditório Ibirapuera. Vanessa Moreno, que em 2017 e 2018 foi vencedora do Prêmio Profissionais da  Música na categoria cantora, vem agora mostrar o seu primeiro trabalho solo, intitulado “Em Movimento”, com arranjos e produção de Fi Maróstica.

Gabriel Grossi, gaita

Apesar de jovem, Gabriel tem uma trajetória extensa. Além de carreira solo bem estabelecida dentro e fora do país, é desde 2005 integrante do Hamilton de Holanda Quinteto, conjunto vencedor do prêmio Tim 2007 e finalista do Grammy Latino por três vezes consecutivas. Sempre envolvido em importantes projetos, Gabriel foi parceiro frequente do saudoso e consagrado clarinetista Paulo Moura, com quem atuou de 2003 até seu falecimento. No ano de 2004, também gravou CD e DVD com as cantoras Zélia Duncan e Beth Carvalho, com as quais trabalhou bastante.

Seu disco de estreia, “Diz Que Fui Por Aí”, recebeu elogios pela concepção musical, composição e arranjos. O segundo, “Afinidade” (em duo com o grande violonista Marco Pereira), e o terceiro, “Arapuca” (inspirado no universo do forró) também conquistaram crítica e o público, mostrando que é possível aliar a tradição da música instrumental com o gosto popular, levando o nome de Gabriel para um amplo reconhecimento.

Data: 28/06/2019

Horário: 20:00

Local: Theatro São Pedro

Rua Barra Funda, 161 – São Paulo/SP

Entrada: Paga

Ingressos: R$20 e R$10 (meia)

Compre o ingresso online