Santa Marcelina Cultura

MENU

NOTÍCIAS

Audição do Prêmio Ernani de Almeida Machado

21 de outubro de 2013

Hoje, 11 de outubro, às 14h, acontece a segunda e decisiva seleção para a segunda edição do Prêmio Ernani de Almeida Machado, por meio de uma audição presencial, no Auditório da EMESP Tom Jobim.

A banca examinadora será formada por músicos (Adriana Schincariol, viola; Horacio Gouveia, piano; Luís Antonio Eugênio Afonso (Montanha), clarinete;  Luis Otavio Santos, violino barroco; Luiz Amato, violino; Marcos dos Anjos, tuba; Paola Baron, harpa; Paulo Porto Alegre, violão), maestros (Cláudio Cruz), compositores (Flo Menezes e Silvio Ferraz) e jornalistas setoristas da área de música erudita, como o diretor-editor da revista Concerto, Nelson Rubens Kunze, e o colaborador do jornal Folha de S. Paulo, Irineu Franco Perpetuo.

De acordo com o regulamento do edital, as inscrições (gratuitas) estiveram abertas de 12 de agosto a 13 de setembro e foram registradas cerca de 40 inscrições.

O processo seletivo é organizado em duas fases, sendo que na primeira, o candidato tinha que gravar um vídeo executando uma peça de livre escolha, sem edição e com duração de até 15 minutos. Uma banca formada por professores da área de música selecionou para a segunda fase 15 candidatos e a lista dos aprovados foi divulgada no site da EMESP.

De acordo com o regulamento do edital, as inscrições (gratuitas) estiveram abertas de 12 de agosto a 13 de setembro e foram registradas cerca de 40 inscrições.

   

No dia 27 de outubro, domingo, às 20h, na Sala São Paulo, será feito o anúncio dos vencedores da segunda edição do Prêmio Ernani de Almeida Machado, que destina um total de R$ 120 mil a serem distribuídos entre cinco bolsistas da Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, corpo artístico da Secretaria de Estado da Cultura.

Com patrocínio do escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados, os prêmios oferecidos têm a finalidade de viabilizar, exclusivamente, bolsas de ensino no exterior visando aprimoramento, ou a aquisição de instrumentos.

O prêmio principal é de R$ 60 mil – o maior concedido até hoje a uma orquestra jovem no Brasil – e o contemplado deverá utilizar o valor para o aperfeiçoamento musical em uma instituição de ensino no exterior.

Também serão concedidas mais quatro premiações no valor de R$ 15 mil cada e divididas em duas categorias, sendo, duas delas para bolsistas do naipe de cordas, e outras duas aos naipes de madeiras, metais, percussão, e ainda piano e harpa. Todos os 90 bolsistas da Orquestra podem concorrer, mediante inscrição.

Para o diretor artístico-pedagógico da Santa Marcelina Cultura, Paulo Zuben, a iniciativa visa incentivar esses jovens músicos ao aprimoramento constante. “Essa parceria possibilita oferecer prêmios anuais aos melhores da Orquestra Jovem do Estado e ainda viabilizar o intercâmbio nas instituições de ensino de referência internacional. Abre portas para esses jovens e aproxima o contato com professores de renome.

Um exemplo disso é o músico Rubens Celso Lopes Filho, de apenas 22 anos – vencedor da primeira edição –, ele é o primeiro percussionista brasileiro selecionado para o mestrado no Conservatório de Paris”, destaca.

Na visão de Raquel Novais, sócia-administradora do Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados, a música erudita nacional colherá os frutos desse projeto. “Incentivos como este proporcionam aos jovens músicos uma maturidade técnica que enriquece nossas orquestras. É um investimento na cultura e na vida desses jovens e muito nos orgulha fazer parte dessa história”.

   

O patrocínio do escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados ao Prêmio Ernani de Almeida Machado é resultado de uma parceria firmada em 2012 com a Santa Marcelina Cultura – organização social responsável pela administração da EMESP Tom Jobim (Escola de Música do Estado de São Paulo), escola do Governo do Estado de São Paulo e da Secretaria da Cultura – e visa beneficiar os bolsistas com melhor desempenho da Orquestra Jovem do Estado, com edições do prêmio já certas por mais três anos.

Na primeira edição do prêmio, em 2012, foram contemplados o percussionista Rubens Celso Lopes Filho, que faturou o prêmio principal, e ainda o violinista Lucas Bernardo da Silva, o clarinetista Filipe dos Santos Esteves, o contrabaixista Gabriel Takano De Donno e o fagotista André Ramos Sanches.

Também no ano passado, o patrocinador realizou um aporte para a compra de instrumentos de percussão de primeira linha para o grupo da EMESP Tom Jobim. Foram adquiridos pratos, marimbas, pandeiros sinfônicos, tontons, tímpanos, compondo um sofisticado kit fundamental para a melhoria da sonoridade da orquestra.

Desde sua reestruturação, no início de 2012, a Orquestra Jovem do Estado passou a ter um processo seletivo mais rigoroso, limitou a idade de seus músicos para 26 anos e aprimorou o sistema de ensaios, tudo realizado pela equipe artístico-pedagógica da EMESP Tom Jobim, atendendo às diretrizes da Secretaria da Cultura.

No ano passado, a Orquestra foi regida por maestros consagrados, como Frank Shipway e Wladimir Ashkenazy, e tocaram ao lado de solistas de renome, como Nikolai Tokarev, Jennifer Stumm e Arnaldo Cohen. Em agosto de 2012, o grupo fez sua estreia na Europa em um festival alemão, o MDR Musiksommer, na Saxônia.

Na temporada 2013, em conjunto com jovens alemães, realizou o concerto oficial de abertura do ano “Alemanha + Brasil 2013-2014”, no Theatro Municipal de São Paulo. Em agosto, foi convidada para tocar no Festival Young Euro Classic, que acontece anualmente em Berlim, na Alemanha, e é conhecido por reunir as melhores orquestras jovens do mundo.  A participação nos dois festivais foi possível por meio da parceria com o Mozarteum Brasileiro, que indicou a Orquestra Jovem do Estado como um dos mais expressivos e expoentes grupos do gênero do país.